omnichannel
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

No artigo de hoje vamos dar andamento aos aprendizados e falar sobre a importância do registro de domínio da sua loja virtual. Além disso ainda vamos falar sobre como fazer a regulação do seu e-commerce, seja por meio de um MEI (Microempreendedor Individual) ou de uma ME (Microempresa), e também sobre a legislação que regulamenta o e-commerce. Preparados?

Bom, só pra relembrar, até aqui falamos um pouco sobre o que é e onde surgiram as lojas virtuais, conhecemos também algumas das vantagens e desvantagens enfrentadas por consumidores e empreendedores, bem como os modelos de negócios existentes para essa modalidade.

Caso você ainda tenha dúvidas sobre os assuntos abordados até aqui, não se preocupe. Você pode voltar aos artigos, ler e anotar todas suas dúvidas e entrar em contato com nossa equipe, por meio de e-mail ou whatsapp. Esperamos por seu contato.

Escolha para seu e-commerce uma url que seja curta, objetiva e fácil de lembrar
A URL do seu e-commerce deve ser curta, objetiva e fácil de lembrar

Por onde começar?

Antes de colocar o projeto do seu e-commerce em prática, podemos dizer que precisamos completar uma das etapas mais importantes desse processo, o registro do domínio. Mas o que vem a ser “domínio”?

Quando falamos em assuntos relacionados ao mundo digital, domínio nada mais é do que o seu endereço eletrônico. Em outras palavras, é o URL da sua página. A sigla URL (Uniform Resource Locator), é um termo técnico traduzido para o português como “localizador uniforme de recursos”.

Não tem como colocar seu e-commerce “no ar” sem ter um domínio, por isso levantamos aqui algumas dicas de como criar um bom URL para a sua loja virtual, acompanhe:

  • Ter ligação com a marca
  • Possuir entre 2 e 26 caracteres
  • Não iniciar ou terminar com hífen
  • Conter palavras-chaves estratégicas
  • Nome curto, objetivo e fácil de lembrar
  • Evitar números e caracteres especiais, como letras maiúsculas ou acentos
  • Dar preferências para domínios que terminem em “.com.br”
  • Pensar sempre em domínio e subdomínio
  • Depois de definir a URL é preciso verificar se ela está disponível para ser usada.

Como registrar o domínio?

Quando falamos em registro de domínio, seja de um site ou de um e-commerce, pensamos logo de cara no “.com.br”. Vale lembrar que os URL que contém “.br” são, em sua grande totalidade, relacionados a sites que estão em território nacional. Sites que usam URL finalizadas em “.com” e “.net”, por exemplo, podem ser referentes a páginas internacionais.

Se sua loja virtual vai atuar em território brasileiro, o ideal é que você opte por fazer o registro do domínio usando o “.com.br”. Isso facilita a regionalização da sua marca em provedores de busca, como o Google. Os domínios nacionais são coordenados pelo Registro.BR, que faz toda parte de registro e manutenção dos domínios no Brasil.

Antes de registrar seu domínio, o primeiro passo é verificar se ele não está sendo usado, seja por uma pessoa, empresa ou entidade. Essa verificação é feita pois apenas domínios livres podem ser registrados.

Mas não se preocupe, essa verificação é feita de maneira simples. Basta incluir o domínio no campo de pesquisa do RegistroBR e, caso esteja liberado, é possível fazer o registro na mesma hora. No caso de já estar sendo usado, o próprio site exibe uma lista com sugestões para você selecionar qual seria a mais indicada para seu negócio.

Documentação necessária

Fazer o domínio da sua loja virtual não vai se transformar em um transtorno pra você. Além de ser simples e rápido, você não vai precisar se preocupar em juntar papelada. Acompanhe aqui a documentação necessária para registrar o seu URL em território nacional:

  • Número do CNPJ;
  • Fornecimento de dados pessoais, como nome completo, e-mail e endereço.

Gostaria de agradecer sua companhia até aqui. Já percorremos um longo caminho e aprendemos muitas coisas sobre como empreender por meio do e-commerce. Mas calma, ainda temos muito que aprender. Planejar todos os detalhes do seu e-commerce, mesmo que pareça algo óbvio a se fazer, é um dos passos mais importantes antes do lançamento. É essa etapa que vai garantir que você diminua os riscos e entenda toda a lógica do seu negócio.

É bom deixar claro que, mesmo sendo mais simples criar um e-commerce do que montar uma loja física, em ambos os casos é preciso definir metas e objetivos alcançáveis, conhecer o cliente e organizar toda a estrutura do negócio, seja ele online ou offline.

E como já dizia Rita Lee, “me cansei de lero-lero”. A partir de agora vou começar a te ensinar a como montar seu e-commerce do zero, levando em conta tudo que já pincelamos até aqui. Todos prontos? Então vamos começar.

Regularize sua empresa

Mesmo sendo um e-commerce, para evitar problemas futuros, é importante que você regularize seu negócio e tenha um CNPJ, o famoso Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica. Esse cadastro faz de você um Microempreendedor Individual (MEI) e te permite emitir nota fiscal para seus clientes.

Se tornar um MEI é simples e seguro. Esse cadastro te traz alguns benefícios, como por exemplo, pagar impostos reduzidos e conseguir crédito com condições facilitadas. Além disso, com seu CNPJ é possível se cadastrar em lojas e conseguir comprar produtos diretamente dos fornecedores, com descontos especiais e oportunidades financeiras.

MEI

Para se tornar um Microempreendedor Individual é preciso seguir alguns requisitos básicos.

  • Ter renda bruta mensal de R$ 6.750,00 (R$ 81 mil anual);
  • Ter apenas um funcionário registrado;
  • Não ser sócio ou proprietário de outra empresa;
  • Exercer uma das atividades permitidas, segundo Resolução CGSN nº 140, de 2018.

Fique tranquilo. Para se cadastrar como MEI não será preciso o auxílio de um contador. Você pode fazer todo o processo sozinho, online, por meio do Portal do Empreendedor.

ME

Ter um cadastro como MEI não é a única forma para dar o primeiro passo na criação do seu e-commerce. Outra opção é abrir uma Microempresa. A ME é indicada para pessoas que tenham faturamento bruto mensal acima de R$ 30 mil por mês.

Para deixar um pouco mais claro, a ME é uma sociedade empresarial formada por um ou mais sócios. Se sua ideia é criar um negócio para longo prazo, indico que pesquise um pouco mais sobre o assunto.

Como esse assunto pode levantar muitas dúvidas, vou preparar um artigo especial, com algumas dúvidas recorrentes. Acompanhe as redes sociais do Tag Chat para não perder nenhuma das postagens. E não se esqueça de se inscrever no nosso newsletter. 😊

Legislação

Além de ser MEI ou ME, você precisa se atentar ao que que diz a legislação vigente em relação ao funcionamento do e-commerce no Brasil. De acordo com o Decreto n° 7.962, que entrou em vigor em 2013 e oficializa práticas essenciais que devem ser seguidas obrigatoriamente para o bom funcionamento dos comércios eletrônicos, temos:

  • Precisam estar descritas de forma clara todas as informações dos produtos, serviços e do fornecedor, bem como dados como razão social, CNPJ e telefone para contato;
  • Todos os produtos comercializados pelo e-commerce devem ter descrição técnica com informação de cor, peso, tamanho e todas as características essenciais;
  • Disponibilização de um canal de atendimento eletrônico para o consumidor, seja ele por meio de chat ou endereço de e-mail;
  • Informações sobre formas de pagamento, entrega e política de trocas e devolução.

O decreto traz outras especificações e, para ler o documento na integra, basta clicar aqui.

E aí, gostou do conteúdo? No próximo texto vamos abordar outro ponto importante quando o assunto é e-commerce: criação da marca e identificação visual. Para não perder nenhum texto, basta seguir as redes sociais do Tag Chat e se cadastrar para receber o nosso newsletter.