modelo-de-negocio
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Se você acompanhou todos os artigos sobre e-commerce até aqui, já sabe o que é e onde surgiram as lojas virtuais, conhece também algumas das vantagens e desvantagens enfrentadas por consumidores e empreendedores. Depois de tudo isso, podemos dizer que você já tem uma boa noção do funcionamento de um e-commerce, certo?

Mas como será que tudo isso funciona na prática?

No texto de hoje, vamos falar um pouco sobre como funciona de um e-commerce na prática, para que você entenda melhor e se sinta cada vez mais confiante e preparado para enfrentar esse novo desafio. Acompanhe o artigo até o final, vai ter bônus.

Vamos lá?

Plataformas de E-commerce

O primeiro passo para ter um comércio eletrônico é escolher uma plataforma que atenda suas necessidades, permita que você exponha seus produtos e serviços e que seus consumidores façam suas compras de maneira simples e segura.

Vamos voltar a falar sobre plataformas para e-commerce e segurança de transações em um outro momento. Para não perder nenhuma de nossas postagens, acompanhe as redes sociais do Tag Chat. E não se esqueça de se inscrever no nosso newsletter.

Escolher uma boa plataforma de e-commerce é importante, mas preciso que fique claro que só isso não é o bastante. Precisamos atrelar a isso outros fatores muito importantes como, por exemplo, rankeamento.

Rankeamento

Quando uma pessoa se interessa por algum produto, certamente, antes de ir às compras, ela vai fazer uma pesquisa sobre a mercadoria e comparar valores. Provavelmente o mecanismo de busca que ela vai utilizar é o Google. Vamos falar sobre técnicas para ranqueamento em textos futuros, acompanhe nossas postagens para não perder.

Ao pesquisar sobre smartphones, por exemplo, várias opções de lojas online vão aparecer na listagem do mecanismo de busca. Se seu e-commerce aparecer entre elas, ao clicar no seu link o consumidor vai ser direcionado diretamente para sua loja virtual. E é aqui que a mágica começa a acontecer.

Informações

Uma vez no seu e-commerce, o consumidor deve encontrar fotos atraentes dos produtos e todas as informações possíveis sobre eles, como especificações técnicas, preço, forma de pagamento, frete, prazo de entrega, política de trocas e devoluções, promoções, central de atendimento, entre outras.

Se o consumidor encontrou o smartphone que estava procurando, gostou do valor e da forma de pagamento, sentiu segurança em relação ao site e a transação financeira, ele vai comprar seu produto. E é aqui que se inicia uma nova etapa, e você é o principal responsável para que, daqui pra frente, tudo dê certo. Chegou a hora da entrega.

e commerce tecnologia entrega ecommerce - Tag Chat
Hoje, o tempo de entrega das mercadorias é determinante na hora da compra.

Entrega

E não pense você que é só pegar a mercadoria e levar aos Correios ou transportadora, temos uma infinidade de etapas que antecedem a entrega. Entre elas estão:

– Confirmação de Pagamento;

– Emissão de Nota Fiscal Eletrônica;

– Separação do Pedido;

– Embalagem do Produto;

– Envio para Transportadora/Correios.

Vamos falar mais detalhadamente sobre todo o passo a passo da logística e também sobre algumas ferramentas que podem auxiliar na organização das entregas e na notificação aos clientes. Uma ferramenta que pode ajudar nesse sentido é o Tag Chat.

Além de te ajudar com os rastreios, o Tag Chat permite que você conecte todos os canais de comunicação da sua empresa em um único lugar e revolucione seu relacionamento com o cliente. Para saber mais sobre todas as funcionalidades dessa ferramenta Omnichannel, basta clicar aqui.

Ter um bom planejamento logístico é essencial para todo e qualquer modelo de negócio, seja ele um e-commerce ou uma loja física. Hoje, o tempo de entrega das mercadorias é determinante na hora da compra. Podemos dizer também que essa é uma das formas de fidelizar seu cliente.

Fidelização do cliente

A fidelização do cliente é um ponto muito importante e deve ser considerado quando falamos de lojas virtuais. Ao desenvolver um e-commerce de qualidade e prestar um serviço de excelência, as chances do consumidor ser fidelizado são maiores do que as da loja física.

Depois desse apanhado de novos assuntos, chegou a hora de comentar mais detalhadamente sobre cada um deles. Depois de uma breve explicação sobre o que é e-commerce e as vantagens e desvantagens que ele pode trazer tanto para o consumidor como para o empreendedor, está na hora de falarmos um pouco sobre os tipos de e-commerce e seus principais modelos de negócio.

Se engana quem acredita que só existam dois tipos de modelos de negócios para os e-commerce: o B2B e o B2C. Sim, eles são os mais conhecidos, juntamente com o Marketplace, mas estão longe de serem os únicos. Confira abaixo outras modalidades e veja qual melhor se encaixa ao seu negócio.

Conheça e defina o melhor modelo de negócio para seu e-commerce
Conheça e defina o melhor modelo de negócio para o seu e-commerce

Business to Business

Popularmente conhecido como B2B, o modelo de negócio se baseia nas relações comerciais que são feitas com outras organizações. Ou seja: aqui empresas vendem diretamente para outras empresas. O mercado B2B se tornou atrativo por diversos fatores. Podemos destacar entre eles a rentabilidade, previsibilidade e escalabilidade.

Aqui são feitas comercialização de produtos ou serviços em larga escala, onde você pode escolher se os produtos vão ser vendidos por lotes ou por uma quantidade pré-definida. Para ficar mais claro, vou deixar um exemplo: um escritório de contabilidade pode vender seus serviços para empresas que queiram que suas finanças sejam administradas.

Business to Costumer

Para os mais íntimos, B2C. Esse é o modelo de negócio que tem como objetivo o consumidor final. Ou seja, “da empresa para o consumidor”. A fórmula é básica: o consumidor compra um produto ou serviço por meio da internet e espera pelo recebimento da mercadoria em casa.

Alguns empreendedores, que também contam com loja física, podem ainda oferecer a opção de retirada do produto no local. O que é usado por muitos, pois pode se transformar em uma possibilidade de venda de outros produtos, aumentando assim o ticket médio das compras.

Outra diferença entre o B2B e o B2C é que o segundo trabalha com uma demanda pré-existente. Quando você procura na internet um produto que está querendo comprar, o que aparece são links patrocinados que te levam exatamente para o e-commerce que tem aquele produto, certo?

Consumer to Consumer

Citado apenas como C2C, o Consumidor para Consumidor, é o modelo de negócio no qual dois ou mais consumidores fazem transações de compra e venda diretamente. A prática é muito comum em feiras de usados, casas de leilão e classificados de jornais, e tem ganhado destaque com as plataformas de e-commerce.

O C2C se tornou um dos modelos de comércio eletrônico mais importantes, embora represente uma pequena fatia no mercado online. Empresas como Mercado Livre, OLX e Buscar Rural ajudaram a promover o modelo quando disponibilizam ambientes virtuais mais seguros para comercialização de produtos com usuários de qualquer local do país ou do mundo.

Business to Government

O business to government representa relações comerciais entre empresa e governo, e pode envolver serviços, produtos e outras soluções. Tendo em vista que o funcionamento do modelo de negócios, o B2G não é simples como os outros mais conhecidos, é preciso se atentar para uma série de fatores ao implementar o modelo na sua empresa.

Marketplace

O modelo surgiu no Brasil por volta de 2001. Os Marketplaces funcionam como centos de compras virtuais. Nele você encontra diversas marcas, lojas e produtos e um único lugar. Apontado como um negócio muito vantajoso, podemos citar algumas empresas que inovaram e se tornaram grandes Marketplaces: Americanas, Magazine Luiza, Mercado Livre, Shoptime e Buscar Rural.

Vamos falar agora sobre outros modelos de negócios existentes que talvez sejam novidade para a grande maioria.

E-commerce - praticidade e facilidade na hora de fazer suas compras

M-commerce

Prazer, eu sou o Mobile Commerce, mas pode me chamar de comércio móvel. Meu modelo de negócios é focado no comércio eletrônico. Todas as minhas vendas são realizadas por meio de smartphones, computadores e tablets.

Com a mudança no comportamento de compra dos consumidores, a modalidade ganhou força e, como podem perceber, atende a um perfil mais específico de clientes. Eles estão sempre conectados e fazem suas compras por meio de aplicativos. Uma forte aliada desse modelo de negócio são as redes sociais.

F-commerce

Derivado do S-Commerce, esse modelo de negócio, focado em estratégias de vendas, é exclusivo de uma das maiores redes sociais do mundo, o Facebook.

Quem opta por esse modelo de negócio associa o conteúdo da página a anúncios pagos e a loja virtual é desenvolvida dentro do próprio Facebook. Se para o consumidor isso já é vantajoso, imagina para o empreendedor, que pode aumentar a quantidade de potenciais clientes.

Entretenimento + Tecnologia - conheça os benefícios para seu e-commerce
A união do entretenimento com a tecnologia em prol de um único objetivo: compras via e-commerce

T-commerce

Sabe qual é o principal diferencial do television commerce, ou comércio televisivo? A união do entretenimento com a tecnologia em prol de um único objetivo: aumentar as possibilidades de compras. Mas como tudo isso funciona?

Simples: o consumidor assiste a uma propaganda, por exemplo, e é direcionado para o canal de vendas da marca. Os produtos vão desde itens eletrônicos até peças de roupas de um personagem da sua série favorita. As principais vantagens desse modelo de negócio são a credibilidade, a interatividade e a sensação de assessoria que a televisão passa ao consumidor.

Subscribe commerce

Conhecido popularmente como Clube de Assinaturas, sua principal característica é a recorrência. Ou seja, o cliente paga um valor mensal e recebe, mês a mês, uma caixa recheada de produto em sua casa.

Já são incontáveis os tipos de assinatura que existem, indo desde literatura, beleza, pets, alimentação saudável, até bebidas artesanais e estilo de vida. Vale lembrar que aqui, o que importa não é o produto em si, mas sim a experiência do cliente.

Social commerce, uma das formas de alavancar suas vendas via e-commerce

S-commerce

O surgimento do Social Commerce veio de encontro com a mudança dos hábitos de compra dos consumidores. Cada vez mais conectados, o comércio social funciona a partir da integração de uma loja virtual às mídias sociais.

O modelo de negócio pode ser usado como uma ótima estratégia para quem busca fortalecer a marca e o relacionamento com o cliente pois, o consumidor interage com o conteúdo, avalia os produtos, o atendimento e ainda deixa comentários.

Mercado de Produtos Digitais

E por último, mas não menos importante, temos o mercado de infoprodutos ou produtos digitais. Mesmo não sendo considerado como um e-commerce propriamente dito, pode ser uma boa opção para quem quer empreender. Esse modelo de mercado foca na venda de produtos digitais, como cursos, aulas, softwares, treinamentos e por aí vai. Atualmente a Hotmart é um dos grandes nomes do mercado de infoprodutos.

Depois de conhecer um pouco melhor os modelos de negócio para e-commerce, vale ressaltar que todos os citados acima podem ser usados em uma única, e incrível, loja virtual. Até por que, é mais complicado se sustentar com apenas uma opção, não é mesmo?

E ai, gostou do conteúdo? Este artigo faz parte de uma série de conteúdos criados exclusivamente para te ajudar a tomar a melhor decisão quando o assunto é e-commerce. E não se esqueça, para não perder nenhuma postagem, basta seguir as redes sociais do Tag Chat.