Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

Google lidera pesquisas no mundo

Os motores de buscas, ferramentas de pesquisa ou mecanismos de pesquisas, são sistemas que unem todas as informações da internet, proporcionando por meio de algoritmos as melhores respostas feitas pelos usuários. Os mecanismos mais conhecidos são: Google, Bing e Yahoo. Existem hoje centenas de ferramentas para buscas de informações nas mais de um bilhão de páginas HTML que pesquisas estimam existir na web.

E sua empresa tem usado ferramentas de SEO (Search Engine Optimization)  para estar entre os primeiros mais buscados?

O Google, sem dúvida, figura como o primeiro da lista de motores de busca hoje. Para ter uma noção deste alcance, o StatCounter, site dedicado à análise de tráfego da web, apontou que o Google obteve uma participação superior a 90% no mercado de mecanismos de pesquisa em 2020. Em abril de 2021, essa porcentagem chegou a 92,24%.

Segundo a análise do StatCounter, o Bing se destaca como o segundo site mais utilizado no mundo quando o assunto são motores de busca. O terceiro é o Yahoo.

O Internet Live Stats, estima que o Google processa uma média de mais de 40 mil consultas por segundo, o que se traduz em acima de 3,5 bilhões de pesquisas diárias e 1,2 trilhão de buscas anuais por todo o globo. 

3 livros que os apaixonados por tecnologia não podem deixar de ler

Embora apareça na liderança, o Google não é o único buscador no mundo. Existem muitos motores alternativos de busca que, certamente, precisam estar no radar de quem trabalha com Marketing Digital e tem o SEO como uma das principais estratégias.

Desde que foi fundado em 1998, o Google tem mantido a sua missão de “organizar as informações do mundo”. O site de buscas usa rastreadores, indexadores, algoritmos e inteligência tecnológica. Esse processo começa antes mesmo de digitar algo no campo de buscas e clicar em “Pesquisar”. Centenas de bilhões de páginas da Internet são analisadas e os resultados aparecem em cerca de meio segundo.

Utilizados para encontrar os mais diversos tipos de informações, os sites de buscas atuam por meio de rastreadores, que varrem a internet à procura de novos conteúdos ou da atualização deles. Os conteúdos encontrados são cadastrados na base de dados da plataforma para que possam ser localizados pelos usuários a partir de palavras-chave relacionadas. 

Assim que clicar em “Enter” automaticamente surgirão diferentes opções de conteúdos referentes à sua dúvida na tela do seu dispositivo. 

Os assuntos mais buscados pelos motores de busca

Quem tem um site ou blog precisa aparecer nos resultados de pesquisa, principalmente no Google.  Uma técnica indispensável é o SEO para posicionar a sua marca sempre que alguém fizer pesquisas relacionadas aos assuntos, produtos ou serviços que você comercializa.

Archie (do inglês “archive”) foi a primeira ferramenta utilizada para pesquisar na Internet e foi criada em 1990, por Alan Emtage. Os primeiros motores de busca utilizavam a indexação de páginas e se baseavam em sua categorização. Em duas décadas evoluíram muito e hoje já utilizam diversas tecnologias para obter melhores resultados.

Em Portugal, usa-se o termo “Motor de pesquisa” ou “ferramenta de pesquisa”. No Brasil, usa-se “Motor de busca“.

Primórdios de motor de buscas brasileiros

Um dos pioneiros como motor de busca brasileiro foi o “Cadê?” – assim mesmo, com interrogação – e surgiu em 1990. Ele funcionava mais como um catálogo de páginas amarelas das antigas listas telefônicas, mas tinha um campo de busca para as páginas que já estavam cadastradas lá dentro. Os usuários contribuíam, sugerindo novos endereços para adicionar. O serviço foi vendido para o Yahoo, anos depois.

Outros sites que fizeram muito sucesso no Brasil foram o “Aonde” – um dos pioneiros, e o “Achei” – que dava premiações diárias, em seu início. O “Radar UOL” e o “Yahoo.Br” foram outros buscadores muito populares entre os brasileiros, especialmente até os anos 2000.

Maiores buscadores do mundo

Conhecida como o “Google da China”, a “Baidu” foi fundada por Robin Li e Eric Xu, em 2002. Apesar de contar com diferentes serviços, como plataformas de mapas e notícias, a empresa se destaca pelo motor de busca, que figura, hoje, como o número um na China. O buscador chinês não opera mais no Brasil desde 2018.

Mesmo o Google sendo o buscador mais utilizado em boa parte no mundo, na Rússia, essa realidade é um pouco diferente. Por lá, o “Yandex” representa mais de 60% de todas as buscas realizadas. Com mais de 20 anos de história, o mecanismo de busca russo permite que os usuários pesquisem sites, imagens, vídeos e notícias.

Fundado na Pensilvânia, o “DuckDuckGo” é um buscador indicado para quem está cansado de ser rastreado e quer retomar o controle das informações pessoais.

Rastreamento, indexação e retorno dos resultados

Durante o rastreamento, o motor de busca é acionado e os Googlebots (robôs do Google) separam as páginas para enviar. Isso é realizado por meio de algoritmos rápidos e inteligentes. O próprio Google visita as páginas e os algoritmos avaliam os links existentes para listá-los no rastreamento. 

A indexação em si processa cada uma das plataformas previamente rastreadas para, depois, acrescentá-las nos índices. São indexados os dados e informações, como data de publicação, conteúdo e título.

Depois de tudo rankeado, o motor de busca irá retornar os resultados. O algoritmo identifica tudo e depois coloca na ordem de busca aqueles sites que mais preencheram os seus requisitos. 

Busca paga alavanca negócio no maior buscador da rede

Existe uma diferença entre o resultado pago e o resultado orgânico. Quando você pesquisa sobre algo no Google, o motor de busca promove dois resultados: resultados baseados em anunciantes que se valem muito das palavras chaves. Essas keywords, em inglês, são a forma como um usuário escreve sua dúvida nos buscadores com o intuito de obter respostas e concluir suas pesquisas. Os anúncios são classificados como tal e estão marcados efetivamente como “anúncio”, e aparecem entre os cinco primeiros resultados do buscador. Ou seja, são sites promovidos, que literalmente pagaram para estar lá. Já os que aparecem na sequência são os chamados resultados orgânicos, e não envolvem pagamentos.  

Resultados orgânicos são os mais acessados nos motores de busca 

Eles direcionam para sites que, em muitos casos, são encontrados pelo motor de busca por conta de palavras chaves específicas e automáticas, sem investimento financeiro em anúncios. Mas são resultado de pesquisas com palavras-chave, ou seja, uma das melhores ferramentas de SEO para entrar na briga pelo ranking orgânico do Google, auxiliam o site a se posicionar entre os mais vistos no sistema de pesquisa, apenas por contar com um conteúdo rico, naquilo que o usuário pesquisa. Ou seja, graças ao fato do conteúdo atender às expectativas do Google, ele recebe o apoio logístico automático, para aparecer entre os sites pesquisados. 

Sabendo que cerca de 70% dos usuários acessam apenas conteúdo da primeira página do Google, trabalhar um bom conteúdo e estar bem rankeado no banco de busca, é fundamental para quem deseja sucesso no negócio. 

Ferramentas de busca 

Ferramentas de busca é um instrumento de pesquisa que utiliza palavras-chave ou categorias, orientado por textos, para encontrar e organizar informações na web.

Na Grã-Bretanha, o Google domina 90% das pesquisas em computadores e 92% das feitas por meio de celulares. Já nos Estados Unidos, esse número cai, são 78% das pessoas que pesquisam pelo computador utilizando o Google.

Há uma diferença entre ferramentas e motores de busca. Um motor de busca é resultado de um sistema de software programado para localizar informações guardadas em um sistema computacional a partir, também, de palavras-chave indicadas pelo utilizador.

As ferramentas de busca, também chamadas de SERP – Search Engine Results Page, se baseiam em três pilares, sendo eles, rastrear, indexar e posicionar.

 

Links pesquisados:

www.hostgator.com.br/

www.scielo.br/

www.i-tecnico.pt/

www.vidadeproduto.com.br/

www.ayoo.com.br/