Tecnologia
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ao projetar a carreira, um equívoco comum é pensar em ocupações com grande demanda na atualidade, em vez de voltar a atenção para as profissões do futuro. Demora algum tempo para que o profissional adquira conhecimento e experiência prática para se destacar na função escolhida.

Por conta disso, entre a decisão de se dedicar àquela profissão e o momento de colher os frutos com um bom emprego ou empreendendo no setor, muita coisa pode acontecer. O que antes era promissor pode rapidamente se tornar obsoleto.

O profissional que não se adapta corre sérios riscos de ficar defasado, assim como acontece quando não aprimora as habilidades técnicas necessárias. Nesse sentido, o futuro do profissional também requer o desenvolvimento de competências comportamentais.

Já pensou que, quando você não entende os próprios pontos fracos e fortes ou características pessoais, as chances de tomar decisões ruins são maiores? Um exemplo é a escolha da graduação. Ainda que seja a melhor faculdade do Brasil, ela não será capaz de proporcionar a realização esperada, porque o caminho pode não ser o ideal para sua carreira.

É bem diferente quando você faz essa escolha com autoconhecimento. Isso acontece ao trabalhar essa habilidade em outras áreas da sua vida. Em sua atuação profissional, ela serve para dar prazos realistas a clientes e assumir responsabilidades. Assim, é possível se comprometer com maior qualidade e eficiência.

Uma prática que tem se tornado comum nas empresas e em startups é o compartilhamento de feedbacks. O profissional do futuro é aquele que consegue receber bem as críticas e sugestões de melhoria, sem se deixar abalar ou levar para o pessoal.

Além disso, usa essas indicações para crescer pessoalmente e motivar os colegas a se desenvolverem junto. A inteligência emocional é o centro de todas essas atitudes. Isso significa que o colaborador tem foco em uma atuação de excelência e está aberto a progredir sempre, mesmo que envolva mudanças drásticas.

Para te ajudar a ser um profissional do futuro selecionamos algumas habilidades que você precisa desenvolver. Acompanhe.

Profissional do Futuro. Na imagem é possível ver uma reunião de equipe entre 6 pessoas
O profissional do futuro é aquele que consegue receber críticas e sugestões de melhoria, sem se deixar abalar

1. Líder de equipe

Dentro dessa perspectiva de desenvolvimento profissional, empresas buscam contratar pessoas que queiram não somente crescer em suas funções, mas, também, assumir outras responsabilidades e se transformarem em líderes de equipes.

A última tendência deste mercado é o perfil do líder coaching. Nessa modalidade se enquadram profissionais que, além de cumprir suas obrigações, são capazes de inspirar, motivar e se comunicar bem com os colegas de trabalho. Esse profissional se interessa e aplica inovações no seu ambiente de trabalho, além de saber exatamente o que acontece lá fora.

Ainda dentro da capacidade de liderança, pessoas aptas em fazer análises de ambientes e dados, e tomar decisões baseadas nisso, já se destacam no mercado profissional e serão ainda mais disputadas futuramente.

2. Ajuda da tecnologia

A tecnologia veio para agilizar processos e resultados das corporações. Com o auxílio da internet, por exemplo, é possível convocar reuniões e fechar negócios em qualquer lugar, além de atingir grande número de pessoas, sem estar fisicamente em todos os locais.

Um ponto negativo, se assim podermos dizer, é que os dispositivos eletrônicos não substituem a efetividade do contato pessoal e da interação mais próxima que esse tipo de situação propícia. Por conta disso, as empresas começam a investir em processos humanizados.

O marketing de relacionamento e o atendimento personalizado são alguns efeitos dessa mudança. O profissional do futuro deve saber se comunicar bem em qualquer situação e transmitir sua mensagem com eficiência. Sem contar que ele também deve saber ouvir e compreender as necessidades tanto da empresa, como dos seus líderes e colegas, e principalmente as dos clientes.

3. Ferramentas profissionais

Os smartphones são tão populares que praticamente eliminaram o uso contínuo de um computador de mesa, porém a grande maioria dos usuários mobile não conhece ou não sabe tirar proveito de todas as funcionalidades presentes no aparelho. Muitos só sabem acessar e-mails, enviar mensagens, atender e fazer chamadas.

Em um futuro não muito distante será preciso se apropriar cada vez mais dos aplicativos, softwares e das ferramentas presentes nos smartphones e de toda sua capacidade de integração com outros dispositivos, sejam eles tablets ou notebooks.

Os futuros profissionais deverão se preocupar não apenas em oferecer produtos e serviços de qualidade, mas também em deixar um mundo melhor para as próximas gerações. Os recursos da natureza são finitos. Uma realidade dura que começa a ser aceita pela sociedade. Empresas precisam compreender que existem maneiras de gerar lucro com processos sustentáveis.

4. Profissional do futuro

Relatório publicado pelo Center for the Future of Work, estabelecido pela Cognizant Technology Solutions, é mais específico em suas apostas e traz um artigo sobre as 21 profissões do futuro. Existem entre entre elas, por exemplo, diretor de portfólio genômico e conselheiro de compromisso de saúde.

Para seu conhecimento, vamos elencar dez postos de trabalho do futuro. Vai parecer ficção científica, mas essas são as previsões para a próxima década. Para tornar esse cenário mais palpável, os postos são apresentados como anúncios de emprego e incluem tarefas, responsabilidades e qualificações necessárias. Acompanhe.

Profissional do Futuro: Na imagem é possível observar uma cidade iluminada com luzes e um homem sob uma tela de led
Detetive de dados e facilitador de TI: vai parecer ficção científica, mas essas são as previsões para a próxima década

1 – Detetive de dados

O verdadeiro Sherlock Holmes do Big Data. “O que nossos dados estão nos contando? Que segredos contêm?”, questionaria o autor escocês sir Arthur Conan Doyle. O perfil desejado para esse profissional engloba conhecimentos sobre finanças, matemática e data science. E, pasmem, ser um cientista de dados não é necessário. Conhecimentos legais são uma vantagem.

2 – Facilitador de TI

Nesta profissão do futuro, a função é explorar tendências digitais e criar plataformas self-service automatizadas para que usuários construam seus próprios ambientes colaborativos, com assistentes virtuais. Esse profissional dever ter formação em TI, ciências da computação, engenharia, ciências naturais ou administração de empresas. Dentre as habilidades é necessário boa comunicação e liderança.

3 – Oficial de ética de sourcing

Investigar, acompanhar e negociar acordos de bens e serviços para garantir que gastos indiretos da empresa, como energia, restos e relações sociais, estejam alinhados com padrões de ética de seus stakeholders. Ter experiência com ética em ambientes corporativos, habilidades interpessoais e de comunicação e capacidade de trabalhar em grupo são habilidades desejadas. Conhecimentos de negócios, lei, gestão pública ou filosofia são diferenciais.

4 – Gestor de desenvolvimento de negócios de inteligência artificial

O profissional define, desenvolve e implementa programas eficazes para acelerar vendas e negócios de inteligência artificial. Esse profissional deve ter conhecimento com vendas e desenvolvimento de negócios em grandes organizações, além de experiência corporativa com plataformas de inteligência artificial, machine learning e computação em nuvem.

5 – Mestre de edge computing

Criar, manter e proteger o ambiente de edge computing, ou computação de borda – que trata do limite da rede de computação em nuvem, perto da fonte de dados – faz parte dos atributos dessa profissão do futuro.

O profissional deve ter doutorado na área ou em áreas relacionadas, experiência com segurança e protocolo e internet das coisas (IoT), entre outros assuntos. Capacidade de arquitetar e projetar ambientes de computação em nuvem ou edge computing são um grande diferencial na hora da contratação.

Profissional do Futuro: na imagem é possível ver 4 pessoas concentradas em seus projetos
O cuidador remoto nada mais é do que um trabalhador liberal e autónomo que ajuda idosos a passar o tempo

6 – Analista de cybercidade

Garante a segurança e funcionalidade de cidades ao garantir o fluxo saudável de dados de tráfego criados pelo sistema, sejam eles ambientais ou populacionais. O profissional desejado deve ter qualificações em engenharia digital, conhecimentos sobre circuitos eletrônicos e metodologias de startup enxuta e experiência com impressão 3-D. É preciso saber ler e interpretar dados em analytics.

7 – Diretor de portfólio genômico

Criar e executar estratégias para um portfólio de produtos biotecnológicos. Essa é a principal função desse profissional do futuro. Ter graduação em campo relacionado à genômica é uma das exigências. Mestrado é uma vantagem. Experiência de pelo menos uma década e habilidades de comunicação, liderança e negociação, além de perfil analítico, também são necessários.

8 – Cuidador remoto

Também conhecido como Walker Talker, é a profissão do futuro que vai estourar nos próximos anos e pode ser uma boa oportunidade para sua carreira. O cuidador remoto, como o próprio nome já diz, nada mais é do que um trabalhador liberal e autónomo que ajuda idosos a passar o tempo, tudo por meio de uma plataforma online.

Sua principal tarefa como cuidador remoto é prestar atenção. Para isso, qualquer background será considerado. Mas é preciso deixar claro que esse profissional deve ter mobilidade para visitar clientes em casa e adaptar a plataforma de comunicação, quando for necessário ou solicitado.

9 – Conselheiro de compromisso de saúde

Esse profissional do futuro também vai trabalhar remotamente e oferecer treinamento individual e conselhos de bem-estar e saúde para usuários de pulseiras inteligentes, como os smartwatch, que fazem o monitoramento de atividades e sinais físicos dos seus usuários.

Ter experiência com nutrição ou educação física e credenciais, mesmo que obtidas em cursos online, em modalidades esportivas como CrossFit ou yoga são um diferencial. Saber lidar com ambientes culturalmente diversos também é necessário.

10 – Técnico de saúde assistida por inteligência artificial

Examinar, diagnosticar e administrar tratamentos apropriados para pacientes, auxiliado pela inteligência artificial e por médicos acessíveis de maneira remota. Essa é a principal função desse profissional de saúde. O perfil desejado deve ter formação em enfermagem ou similares e experiência anterior na área de saúde. Além de habilidades interpessoais e capacidade de trabalhar sob pressão e com ferramentas digitais.

Mas, nem tudo são flores no Fantástico Mundo da Tecnologia. Existe uma grande escassez quando o assunto é contratação de profissionais especializados para o setor. Para conferir as 21 profissões apontadas pelo artigo da Cognizant Technology Solutions, basta clicar aqui.

Profissional do Futuro: na imagem é possível ver um computador portátil sendo usado por um homem
Só no Brasil a escassez de mão de obra qualificada deve ser de mais de 408 mil postos de trabalho até o ano de 2022

Pesquisa aponta carência de 408 mil profissionais de TI até 2022

Pesquisa realizada pela Softex, organização social voltada ao fomento da área de Tecnologia da Informação, aponta que o setor enfrenta grande déficit de profissionais qualificados. Só no Brasil essa escassez deve ser de mais de 408 mil postos de trabalho até o ano de 2022.

Ainda segundo a pesquisa, o Brasil ocupa a 10ª posição no ranking de mercado do setor de tecnologia e, para não perder a oportunidade de ser referência na área, precisa encontrar uma maneira de enfrentar a falta de mão de obra qualificada.

O CTO do TagChat, Rodrigo Xavier, comenta ter percebido o déficit de profissionais da área em momento de expansão da startup. “Estamos com dificuldade para encontrar pessoas interessadas nos cargos ofertados, além disso, as que encontramos tem pouca qualificação“.

Com o avanço da pandemia e a possibilidade do home office, “vemos muitos profissionais optando por trabalhar em empresas internacionais ou mesmo em grandes cidades ou capitais brasileiras. Isso gera uma escassez interna muito grande e as empresas em crescimento são as que mais sofrem”, completa Rodrigo Xavier.

Mesmo formando anualmente cerca de 45 mil especialistas em tecnologia e criando aproximadamente 70 mil novas vagas de emprego por ano, cursos e treinamentos internos se tornaram a estratégia adotada por muitas empresas. Algumas até criaram universidades corporativas que permitem a realocação de profissionais de forma ágil.

Profissionais de diferentes setores podem ser aproveitados em outras funções. O investimento reflete a expectativa de que o déficit de mão de obra qualificada vai crescer ainda mais nos próximos anos. Os números já mostram a tendência: nos três primeiros meses de 2021, foram contratados 41 mil profissionais de tecnologia da informação no país. Em todo o ano de 2020, foram 47 mil.

O TagChat surgiu justamente para suprir essa necessidade. O time de desenvolvimento da startup trabalha com tecnologia que exige cada vez menos de desenvolvedores. “Hoje o TagChat reduz drasticamente a necessidade de desenvolvedores, principalmente para resolver problemas de integrações e automações“, diz o diretor técnico.

Com tecnologia simples e acessível a todos “o TagChat permite que não programadores consigam resolver problemas de maneira simples e rápida, com uso do drag and drog, sistema de arrasta e solta”, finaliza Rodrigo Xavier.

Gostou do conteúdo? Para não perder nenhuma de nossas postagens, basta seguir as redes sociais do Tag Chat e se inscrever para receber o nosso newsletter. Até o próximo artigo.